11/02/2022 às 16h19min - Atualizada em 12/02/2022 às 00h00min

Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo apresenta debates de ideias sobre os cem anos da Semana de Arte Moderna de 1922

Contingências Antropofágicas / 100 anos depois de 22, com curadoria e mediação de Kátia Canton, discute aspectos históricos, estéticos e humanos do movimento modernista

SALA DA NOTÍCIA maria fernanda teixeira
Andreia Machado
Para comemorar o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, o Centro Cultural Banco do Brasil apresenta o projeto Contingências Antropofágicas / 100 anos depois de 22 que acontece no CCBB São Paulo nos dias 17, 23 e 24 de fevereiro, às 17h. Presencial e gratuito.  Com idealização do escritor e Mestre em Artes Visuais Valdo Resende, curadoria e mediação da artista visual, escritora e jornalista Kátia Canton e produção da Kavantan & Associados, de Sonia Kavantan, o debate de ideias propõe reflexões sobre os contextos sócio-históricos que deflagraram a concretização do movimento ocorrido entre os dias 13 e 17 de fevereiro de 1922, no Theatro Municipal de São Paulo. O seminário também questiona as influências dessa primeira etapa do modernismo na arte hoje e joga luz sobre os significados de uma busca pela identidade brasileira através da arte. Como a questão da brasilidade toma corpo agora? O diferencial do projeto é que estarão no foco da discussão as contingências em três aspectos – Histórico, Estético e Humano.

Programação CCBB SP:

17 DE FEVEREIRO, 17H:
Contingências sócio-históricas - O Significado da Semana:
- Era uma Vez o Moderno - os diversos modernismos no Brasil entre 1910 e 1920, com Luís Armando Bagolin.
- O Azarado Macunaíma, com Priscila Loyde Gomes Figueiredo.

Esse primeiro encontro busca discutir a questões primordiais. O que significou a Semana de 22 na cidade de SP? Como era a Paulicéia até a explosão do modernismo, como eram os artistas e como eles se organizaram em torno do movimento? Como a questão da identidade brasileira se configurou e qual o papel singular de Mario de Andrade, autor de Macunaíma, na pesquisa de nossas raízes e vocações?

23 DE FEVEREIRO, 17H:
Contingências estéticas - A Composição da sinfonia modernista de 22:
- O Lastro Modernista nas Artes Hoje, com Agnaldo Farias.
- Semana de 22 e 2022, com Ana Cristina Carvalho.

A contingência tratada aqui articula as especificidades da estética desenvolvida pelos principais artistas que formaram essa primeira fase do modernismo brasileiro. Nas artes visuais, na literatura e na música, como se caracterizou essa produção? Quem eram eles e como foram responsáveis pela representação de uma geração?

24 DE FEVEREIRO, 17H:
Contingências humanas - O significado do ser moderno hoje:
- Modernas! arte e gênero no Brasil dos anos 1920, com Ana Paula Simioni.
- Personagens da Semana de 22, com Percival Tirapeli.

Essa contingência se liga ao atravessamento do tempo/espaço e do alargamento do conceito modernista até os dias de hoje. Será que aquela é uma Semana que não terminou, como diz o título do livro do jornalista Marcos Augusto Gonçalves? Quais as principais influências que aquele momento nos deixou como herança? O que é mito, o que é verdade?

Contingências Antropofágicas / 100 anos depois de 22
Local: Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo
Período: 17, 23 e 24 de fevereiro, 17h
Ingressos: Agendamento através do site bb.com.br/cultura e na bilheteria
Classificação indicativa: 14 anos
Entrada gratuita
Endereço: Rua Álvares Penteado, 112 – Centro Histórico, Triângulo SP, São Paulo–SP
Acesso ao calçadão pela estação São Bento do Metrô
Funcionamento: Aberto todos os dias, das 9h às 19h, exceto às terças
Informações: (11) 4297-0600
Estacionamento conveniado: Rua da Consolação, 228.
Valor: R$ 14 pelo período de até 6 horas. É necessário validar o ticket na bilheteria do CCBB.
Traslado gratuito até o CCBB. No trajeto de volta, a van tem parada na estação República do Metrô.

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »