23/06/2020 às 16h20min - Atualizada em 24/06/2020 às 00h00min

Soluções criativas e solidariedade garantem sobrevivência na pandemia da COVID-19

Máscaras, arteterapia online, presentes, microapresentações especiais e sapateiras de porta estão entre os produtos e serviços que surgiram como alternativa para quem ficou só com a coragem, o espírito empreendedor e o apoio da rede de amigos e familiares.

DINO
http://conteudosocial.net.br
Oratórios do marceneiro Mestre Babi


A não ser no segmento da saúde, aquele conceito muito difundido entre palestrantes de sucesso de que há os que choram e os que prosperam diante das crises pode não se confirmar por resultados astronômicos dos negócios surgidos em meio à pandemia, mas ganhou bastante sentido quando se verificam as iniciativas de quem tentou driblar o momento e se manter no jogo, especialmente entre os pequenos. Inúmeros profissionais autônomos ou pequenos empreendedores que viram suas atividades e negócios minguarem e quase desaparecerem, em pouco mais de um mês, adotaram saídas criativas e produtivas que vêm garantindo sobrevivência.

Contando com a solidariedade, transformaram seus canais pessoais em redes de apoio de familiares, amigos e clientes fiéis para atividades recicladas na crise: máscaras, sessões de arteterapia online, sapateiras de portas, serviços especiais de entregas são alguns dos produtos e serviços oferecidos primeiro para esse público. E deu certo.

Carol R. Elizeu, proprietária da Atelier Festa Feliz, empresa de festas e eventos com três anos de mercado, localizada na Zona Leste, diante dos cancelamentos de festas de aniversários e casamentos, uniu-se à irmã e decidiu produzir cestas especiais de presentes, inclusive para as comemorações canceladas. "Como conheço bem muitos fornecedores de produtos para as festas foi fácil começar a montar as cestas de acordo com a demanda", explica a empreendedora que produz desde cestas de café da manhã até kits de salgados e doces para as microfestas familiares de aniversários, durante o isolamento.

A arteterapeuta e artista plástica Cláudia Colagrande, que dá aulas em seu estúdio em Alphaville, adequou sua atividade ao mundo virtual. E sua clientela continuou praticamente a mesma, adaptada ao novo formato. "No caso das aulas de arte, meus clientes já possuem os materiais, foi fácil realizar pequenas oficinas. Em relação às sessões de arteterapia, há algum tempo atendo uma cliente que mudou de cidade, por isso já tinha me acostumado ao formato e passei a adotá-lo para todos os clientes habituais", diz Colagrande.

A arte em geral foi um dos segmentos mais afetados pela pandemia. Mais difícil para artistas alternativos como a professora Wanda Moreira e o compositor Hélio Brás, que integram o grupo Lagarta Pintada. Na urgência do momento, os dois produziram um vídeo, com poucos recursos, com canções do CD infantil Lagarta Pintada e composições do cancioneiro popular das escolas, e passaram a oferecer pequenas apresentações virtuais, especialmente dirigidas às famílias com crianças.

O marceneiro Luiz Carlos Barbieri, com trinta anos de atuação na produção de móveis planejados, que estava em pleno tratamento de saúde e já sofria o impacto da redução de sua renda, ao lado de duas parceiras familiares que apoiaram a iniciativa, criou a Mestre Babi, de pequena marcenaria, e resolveu produzir objetos de madeira de uso prático e decorativo, que se revelaram necessários na pandemia. "Primeiro, pediram um oratório, depois uma sapateira de porta, então vimos que estava ali uma alternativa para gerar uma pequena renda, enquanto o Babi recupera a saúde e saímos de pandemia", diz Maria Alcântara, uma das parceiras do pequeno negócio, explicando que os pedidos estão concentrados entre familiares e amigos, mas, com a criação de canais na web, planejam ampliar sua produção.

O propósito de gerar renda, com a criação de pequenos negócios, para enfrentar a crise mobilizou também inúmeras outras pessoas, criando boas histórias. Além dos exemplos acima, há empreendedores produzindo em casa máscaras, minibolos, bordados, linguiça e feijoada caseiras. Muitos deles tinham outros negócios e atividades antes da pandemia, como manutenção e higiene de sofá, enfermagem, locação de materiais para festas etc. Para estes, a crise transformou-se em oportunidade.

Serviço - Fontes de Informações

Atelier Festa Feliz - Carol R. Elizeu - cel.:(11) 946461424

Arteterapia Cláudia Colagrande - cel.: (11)941419003

Grupo Lagarta Pintada - cel.:(11)986620901

Mestre Babi - Pequena Marcenaria - cel.:(11)996222738




Website: http://conteudosocial.net.br
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual sua Rede Social Favorita?

46.0%
26.2%
17.5%
9.5%
0.8%