15/06/2021 às 18h02min - Atualizada em 16/06/2021 às 00h00min

Festa Junina sem doce: Por que quem faz bariátrica deve evitar açúcar e gorduras?

Síndrome de Dumping tende a aparecer no primeiro semestre pós-cirúrgico, a partir do consumo excessivo de sacarose e gorduras

SALA DA NOTÍCIA Patricia Nascimento
https://adrianovalenncia.com.br/

Paçoca, arroz doce, bolo de milho, maçã do amor… a Festa Junina chega aumentando exponencialmente a oferta e o consumo de doces. Mas a ingestão excessiva desses produtos, associada à má alimentação e ao sedentarismo, pode levar à obesidade que, de acordo com a OMS, é um dos principais problemas de saúde pública no mundo atualmente. No Brasil, uma em cada quatro pessoas acima dos 18 anos está obesa. Quando não tratada, a doença pode potencializar o aparecimento de outras comorbidades, como hipertensão arterial, diabetes, problemas cardiovasculares, apneia do sono, osteoartrite e alguns tipos de câncer.

Com o número de obesos em alta, o índice de cirurgias bariátricas também cresce. Em 2019, por exemplo, os procedimentos cirúrgicos tiveram alta de 7% em comparação com o ano de 2018, segundo dados da SBCBM. A má alimentação, o sedentarismo, os fatores genéticos, o estresse e a compulsão são alguns dos motivos que levam as pessoas a optarem pela intervenção cirúrgica, incluindo Adriano Valenncia, autor do livro Jornada do Ex-Obeso. Em 2003, a cirurgia foi a saída encontrada por ele, que na época pesava 180kg. 

“Lutei com a balança e o efeito sanfona desde a infância. Sempre fui uma criança acima do peso, mas aos 12 anos essa briga tornou-se mais constante, e potencializada pelo divórcio dos meus pais. E apesar de descontar minhas frustrações nas comidas em geral, os doces foram os vilões da minha história. Cheguei ao ápice do meu peso aos 23 anos, quando acreditei que a bariátrica era o único caminho viável para eliminar os quilos a mais e recuperar minha autoestima. Mas logo depois voltei a engordar, cheguei aos 155kg novamente e adquiri a Síndrome de Dumping. Ou seja, os doces não eram mais uma opção para mim, assim como o leite, que também deixei de consumir”, comenta o especialista em TI.

Síndrome de Dumping é uma alteração física na função de armazenamento gástrico, cujos sintomas podem aparecer em pacientes bariátricos no primeiro semestre após o procedimento a partir da ingestão de glicose e sacarose em excesso. Dores abdominais, cefaléia, taquicardia, sudorese, náuseas, fraqueza e diarreia são alguns dos sinais que ocorrem entre 30 minutos e 3 horas após o consumo. O resultado da alteração anatômica é a passagem mais rápida de alimentos com grande concentração de açúcar e/ou gordura do estômago para o intestino em pacientes que realizaram a cirurgia.

“Como não há cura, mudar os hábitos alimentares é a melhor opção, começando pela diminuição de açúcar, doces e alimentos gordurosos. É isso o que tenho feito desde então. Então em datas como essa, eu adapto a vontade consumindo cacau, maçãs assadas (sem adição de açúcar), mix de nozes com castanhas, por exemplo”, diz Valenncia.

Esse e outros relatos ele traz no livro recentemente lançado, Jornada do Ex-Obeso. “No livro eu conto como consegui reprogramar a minha mente para traçar novas rotas e perspectivas que transformaram meus hábitos e a minha rotina de forma saudável. Hoje eu alcancei o meu peso ideal e consigo mantê-lo sem dificuldades. Acho importante as pessoas que passam pelo que eu já passei terem contato com relatos reais, sem floreios. E é isso o que está dividido nestas páginas, minhas experiências com a obesidade, sentimentos, dores e emoções que talvez possam ajudar outras pessoas a ressignificarem sua saúde”, encerra ele. 

O livro impresso está à venda no site www.adrianovalenncia.com.br pelo preço de R$39,99, e pode também ser adquirido na versão digital e online pela Amazon, por R$24,90.

Sobre Adriano Valenncia: Nascido em 1978, Adriano é casado e atua há mais de 20 anos na área de tecnologia. Nos últimos anos, tem se dedicado ao autoconhecimento, ao desenvolvimento pessoal e à liderança, com o intuito de curar seus traumas emocionais e ressignificar sua mentalidade, acarretando no emagrecimento e recuperação da sua autoestima. Dessa forma, encontrou sua maior missão e paixão: contribuir na vida das pessoas para mudar mentalidades e atitudes, lutando para que todos consigam ter uma vida abundante a partir do corpo, mente e alma saudáveis


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual sua Rede Social Favorita?

46.0%
26.2%
17.5%
9.5%
0.8%